Repensar o Mundo Atual

Numa viagem recente que fiz à Índia fui surpreendida por uma realidade forte, real, cruel na sua forma de vida mas fez-me parar e repensar a nossa realidade em Portugal e para onde nos encaminhamos.

Dharavi é uma localidade perto de Mumbai, na Índia, com cerca de 216ha e onde vivem mais de 1 milhão de pessoas. É considerado o segundo maior Bairro de Lata “Slum” da Ásia em densidade populacional e a sua economia assenta sobretudo na Reciclagem, no Têxtil, nos Curtumes e na Cerâmica, gerando um “turnover” anual de mais US $ 1 bilião.

É incrível o que vimos perante os nossos olhos, é incrível quando ficamos a conhecer algumas das 15 mil fábricas que existem designando esta favela como a maior favela de Empreendedores do Mundo.

O primeiro aviso que nos fazem ao atravessar as ruas é: Good eyes, Good legs and Good luck!

E percebemos porquê. Porque a densidade populacional é tão grande que motas, carros e camiões não nos deixam espaço para atravessar as ruas principais e, até aqui, temos de ser empreendedores para termos sucesso nesta etapa.

As condições em que vivem são diminutas: não tem condições sanitárias, existe em média 1 casa de banho para 1.450 pessoas (segundo dados de 2006), vivem em quartos minúsculos e por vezes famílias inteiras mas tem um foco empresarial enorme e são felizes.

Os prédios têm em média três andares, no andar de baixo é onde funciona o negócio, no segundo andar vivem as famílias e o terceiro funciona como uma fonte de rendimento. A educação é uma das prioridades de Dharavi e nós visitámos uma das escolas com excelentes condições. Crianças com cinco anos, felizes e em jeito de meter conversa “What is your name” e tudo gira à volta de uma comunidade que vive para trabalhar, passar tempo com a família e até onde a organização internacional “Art of Living” presta voluntariado trabalhando com as crianças ao nível das técnicas de respiração e meditação para aumentar a criatividade e bem-estar dentro da filosofia indiana.

O que mais me surpreendeu e perante tudo o que vi, homens e mulheres a costurarem no mesmo local de trabalho, é o facto de as mulheres ganharem o mesmo que os homens. Não interessa o género mas sim a produtividade diária de cada um deles sendo que a compensação é feita em prol do número de peças que cada pessoa produz.

E eu fiz esta pergunta a mim mesma: nós que vivemos numa sociedade moderna, com todas as condições vitais e necessárias porque não somos capazes de recompensar o trabalho de forma igual através da meritocracia?

Deixo-vos esta pergunta para pensarem: se achamos que somos tão evoluídos na nossa sociedade atual, o que nos faz sermos menos evoluídos perante sociedades emergentes. O que nos falta?

Repensar o mundo atual!

Opinião no Imagens que Marca

Facebook Comments